Festival Lula Livre - Foto: Divulgação
Agenda

Festival Lula Livre aporta no Recife em novembro

O evento vai reunir algumas lideranças políticas

O Recife vai receber, em novembro, a próxima edição do Festival Lula Livre, que promete reunir na capital pernambucana muitas lideranças políticas. Depois de ter edições no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Fortaleza, o evento aportará no dia 17, na Praia de Boa Viagem, e vai contar com diversos artistas de peso nacional. A ideia, assim como as outras edições do evento, é reivindicar da liberdade do ex-presidente Lula, preso no dia 7 de abril de 2018, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.

Leia mais

Líder do PSL diz que vai implodir Bolsonaro

Festival Lula Livre reúne muitos militantes em algumas capitais brasileiras - Foto: Mídia Ninja/Divulgação
Festival Lula Livre reúne muitos militantes em algumas capitais brasileiras – Foto: Mídia Ninja/Divulgação

A expectativa é de que alguns artistas que participaram de edições anteriores evento sejam escalados para o festival no Recife. Entre eles, Chico Buarque, Otto, e Zeca Baleiro. Marcelo D2 também é outro forte nome para o evento. Apesar de cogitarem Daniela Mercury para a programação, a artista já informou que não poderá participar.

Chico Buarque finalmente volta aos palcos; desta vez, com a turnê do seu álbum mais recente, "Caravanas" - Foto: Divulgação
A expectativa é de que Chico Buarque componha o line-up do evento  – Foto: Divulgação

Aliás, a presença de personalidades do Partido dos Trabalhadores também é aguardada. A ex-presidente Dilma Rousseff e os candidatos a presidência nas eleições 2018 Fernando Haddad e Guilherme Boulos também devem prestigiar o evento, mas não subirão ao palco.

 

O evento, inclusive, contará com uma vaquinha online para financiamento coletivo. Toda a renda arrecadada deve ser revertida para os custos da produção do festival.

Medida Provisória

Vale lembrar que o Supremo Tribunal Federal (STF) está em votação sobre a decisão de execução provisória da pena, após condenação em segunda instância. A medida pode beneficiar mais de 4 mil presos no país. Alias, o ex-presidente Lula, caso aprovada pelo STF, será um deles.