Jair Bolsonaro e João Doria - Foto: Marcos Correa/Agência O Globo
Política

Doria e Bolsonaro trocam farpas em reunião virtual

O embate aconteceu diante dos demais governadores do Sudeste e após o pronunciamento do presidente

O presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, trocaram farpas na manhã desta quarta-feira (25). Tudo aconteceu durante uma videoconferência entre o Chefe do Executivo Nacional e os governadores do Sudeste. Aliás, o principal motivo foi o pronunciamento do presidente na noite de terça-feira (24) e os posicionamentos contrários diante da pandemia do coronavírus.

Bolsonaro durante pronunciamento na noite de terça (24) – Foto: Reprodução/TV Brasil

Durante a reunião virtual, Doria disse que Bolsonaro deveria dar um exemplo de líder durante a crise. “Na condição de cidadão, de brasileiro, e também de governador, início lamentando os termos do seu pronunciamento à nação. O senhor como presidente da República tem que dar o exemplo. Tem que ser mandatário para comandar, para dirigir, liderar o país, e não para dividir “, afirmou o governador.

Bolsonaro ouve as cobranças feitas por João Doria – Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República

O presidente, então, afirmou que o governador de São Paulo não tem autoridade para criticá-lo após ter sido eleito em 2018 com sua ajuda. “Subiu à sua cabeça a possibilidade de ser presidente do Brasil. Não tem responsabilidade. Não tem altura para criticar o governo federal”, disse o presidente ao tucano. ”Se você não atrapalhar, o Brasil vai decolar e conseguir sair da crise. Saia do palanque”, afirmou Jair Bolsonaro.

Jair Bolsonaro não poupou palavras para responder o governador paulista – Foto: Marcos Corrêa/PR

Além disso, a troca de farpas continuou nas redes sociais, mas, dessa vez, entre João Doria e o filho do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro. O governador de São Paulo postou no Twitter sua versão da discussão com Jair Bolsonaro. O filho do presidente, então, acusou Doria de se colocar como vítima, além de compará-lo ao presidente francês, Emmanuel Macron.