Política

Covid-19: Eduardo Cunha é mandado para prisão domiciliar

O ex-deputado federal Eduardo Cunha foi preso preventivamente em 2016, pela operação Lava Jato (Foto: Adriano Machado/Reuters)
O ex-presidente da Câmara dos Deputados, preso pela operação Lava Jato em outubro de 2016, foi considerado vulnerável ao risco de contaminação pela Covid-19

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha foi mandado para prisão domiciliar nesta quinta (26). A decisão foi da juíza federal substituta da 13ª Vara de Justiça Federal de Curitiba, Gabriela Hardt. Em trecho da decisão, a juíza justifica sua decisão citando a pandemia da Covid-19. No texto, ela refere-se ao ex-deputado como “pessoa mais vulnerável ao risco de contaminação, considerando sua idade e seu frágil estado de saúde”. Cunha completará 62 anos de idade em setembro.

Leia mais

Bolsonaro inclui atividade religiosa como serviço essencial

Em sua decisão, Hardt também aponta que Cunha estava internado em um hospital privado desde a semana passada. Ele precisou de uma cirurgia de urgência, que foi marcada para a última sexta (20). De acordo com o G1 Paraná, a defesa do ex-deputado anexou ao processo um relatório médico emitido nesta quarta (25). O documento informa que o cirurgião de Cunha testou positivo para a Covid-19. “Por tal razão, informou que Eduardo Consentino Cunha realizou também referido teste, cujo resultado deve sair em 48 horas, e que caso resulte negativo, deverá ser repetido em 7 dias para se certificar de que não é caso de carreador assintomático”, afirma outro trecho da decisão da juíza.

Seguindo a ordem judicial, o alvará de soltura de Eduardo Cunha será expedido quanto ele tiver alta hospitalar. Até o momento, ele estava em prisão preventiva desde outubro de 2016 pela operação Lava Jato, da Polícia Federal. Em nota, a defesa de Cunha afirmou que “foi preciso uma pandemia e uma quase morte para se corrigir uma injustiça que perdurou anos”. “Eduardo Cunha já tem, já tempos, o devido prazo para progredir de regime, e há anos seu estado de saúde já vinha se deteriorando. Hoje, fez-se justiça”, escreveu a defesa do ex-deputado.