Acontece

Boris Johnson pede que protestos antirracistas sejam “pacíficos”

Boris Johnson, premier do Reino Unido - Foto: Andrew Parsons/10 Downing Street/AFP
O premier do Reino Unido disse que não apoiará quem ataca a polícia e vandaliza bens públicos

Em comunicado publicado nessa segunda (9), o primeiro-ministro britânico Boris Johnson pediu que os manifestantes antirracistas no Reino Unido atuem “pacificamente” e segundo as leis. “Trabalhemos pacificamente, legalmente, para derrotar o racismo e a discriminação onde quer que a encontremos, e continuemos a trabalhar juntos em todas as comunidades deste país, enquanto colocamos a Grã-Bretanha de pé novamente.”, convocou o premier.

Leia mais

Oxford avança em pesquisa de injeção de anticorpos contra Covid-19

Em Bristol, manifestantes derrubaram a estátua do escravagista Edward Colston — Foto: Reprodução/SWNS

Após a morte do norte-americano George Floyd, uma série de protestos contra o racismo vem acontecendo em várias cidades do Reino Unido, como Londres, Bristol, Manchester, Edimburgo e Glasgow. No domingo (8), inclusive, manifestantes derrubaram, em Bristol, a estátua de um traficante de escravos que morreu em 1721. E no dia anterior (7), uma estátua de Winston Churchill foi vandalizada em Londres.

Leia mais

Pernambuco é destaque em matéria do jornal britânico The Guardian

Manifestantes nas ruas de Londres carregam faixa com a mensagem “O Reino Unido não é inocente. Vidas negras importam.” — Foto: WIktor Szymanowicz/NurPhoto via Getty Images

No texto, o premier diz que “a raiva e o sentimento de injustiça generalizado” que despertaram as manifestações são “incontestáveis e inegáveis”. Entretanto, ele alerta que não apoirá “aqueles que desrespeitarem as regras sobre distanciamento social, pela razão óbvia de que arriscamos uma nova infecção em um momento crítico”, tampouco os que  atacarem a polícia e profanarem monumentos públicos. “Nós temos uma democracia neste país. Se você quiser mudar o cenário urbano, pode candidatar-se às eleições ou votar em alguém que o fará”, conclui Johnson.

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar