Marina Motta fala sobre tendências de viagens "pós pandemia" - Foto: Divulgação/Montagem
Malas Prontas

Festival virtual de intercâmbio: tendência de viagens pós pandemia

O evento acontece, de forma online, durante toda a próxima semana

Por Marina Motta, expert em Intercâmbio

Você sente-se seguro para viajar para o exterior? Esta pergunta foi feita no site Skyscanner e o resultado foi que: 50% dos viajantes acreditam que viajariam a partir de setembro de 2020. Enquanto isso, os outros 50% estão planejando viajar apenas em 2021. Essa metade dos entrevistados querem se certificar de que, por exemplo, já tenham uma vacina para a Covid-19 ou, na expectativa de redução cambial.

Com a pandemia do coronavírus, aeroportos de todo o mundo foram fechado – Foto: Divulgação

Sim, não podemos negar que o turismo mundial e a aviação foram um dos segmentos mais abalados pela Covid-19. Afinal com o fechamento das fronteiras é notório que, com os altos índices de óbitos e contágio no Brasil, a nossa reabertura para o mundo será lenta e gradual. Aliás, depois que as fronteiras abrirem, a expectativa é de que os brasileiros voltem a visitar países da Europa, EUA ou Oceania – destinos estes mais procurados quando estamos falando em intercâmbio e trabalhar no exterior. Além disso, o álcool em gel e máscaras se tornarão o “novo pau de selfie”, a experiência de voar, turistar, mochilar e mesmo interagir com outras culturas como um todo será provavelmente bem diferente.

Arrisco dizer que as transformações na forma de viajar devem ser tão grandes quanto depois de 11 de setembro de 2001, se não em escala ainda maior, já que além dos elementos de segurança teremos agora os elementos de desinfecção.

Alguns aeroportos, como os da China, passaram a medir a temperatura dos passageiros – Foto: Divulgação
Leia Mais

Disney anuncia medidas e regras para reabertura

Claro, é tudo muito novo e cabem aqui alguns especulações, porém acredita-se que já no check-in online, conforme sugere a OMS, seja exigida a apresentação de uma espécie de passaporte de imunidade, confirmando a presença de anticorpos contra o coronavírus no organismo do viajante. Ainda assim, a própria OMS ressaltou depois que ainda não foi comprovado que pessoas que contraíram a doença são imunes, então este ponto ainda divide opiniões. Por isto, muitas cias aéreas e fronteiras podem ter seus critérios próprios no check in. A Emirates, por exemplo, já esta fazendo testes para coronavírus no check in em 10 minutos. A Ethiad, por sua vez, esta trabalhando em uma máquina de selfcheck-in onde o passageiro faz check-in e também vê batimentos, temperatura e respiração. No futuro, pode ser padrão assim como detector de metais.

Funcionários da Emirates usarão EPIs – Foto: Divulgação

Provavelmente a interação entre o staff do aeroporto e os passageiros será menor e pelo volume de protocolos possivelmente será necessário chegar mais do que 2h antes do voo no aeroporto. Acredita-se que, em um futuro próximo, antes de entrar na área de check-in, os passageiros terão que passar por um túnel de desinfecção e um rastreador de temperatura corporal. No Aeroporto Internacional de Hong Kong, por exemplo, já está sendo testada uma máquina que desinfeta todo o corpo e todas as roupas dos passageiros: em 40 segundos, o aparelho mata todos os vírus e bactérias.

Cabine de desinfecção do aeroporto de Hong Kong – Foto: Divulgação
Leia Mais

Retomada do turismo pode acontecer em julho com viagens de carro

Na hora de entrar no avião, possivelmente todas as bagagens despachadas e de mão terão que ser desinfetadas, e pode ser que haja um exame de saúde adicional. É possível que seja integrado um túnel de desinfecção na ponte de passageiros.

A questão das refeições a bordo será outro desafio. Possivelmente, mesmo na primeira classe e na executiva só haverá refeições empacotadas e seladas. Não é difícil pensar que é possível que aviões precisem ter um staff adicional, que cuidará exclusivamente da limpeza e higiene constante dos banheiros e da cozinhas de bordo durante todo o voo.

Companhias reforçam a higienização nas aeronaves – Foto: Hector Retamal/AFP

No aeroporto de destino, possivelmente além do passaporte, será necessário mostra novamente o passaporte de imunidade e passar por um rastreador de temperatura, além de nova desinfetada nas malas antes da entrega. Ufa!

Ainda, neste reabertura de fronteiras, percebo também uma tendência no continente europeu (e fora dela) para as já chamadas “bolhas turísticas”. A Letônia, Estônia e Lituânia abriram suas fronteiras (apenas entre eles) em 15 de maio. Já as fronteiras da União Europeia foram reabertas no dia 15 de junho. Algumas restrições, porém, ainda permanecem no bloco. As fronteiras dos países membros seguirão fechadas para visitantes de locais onde o vírus está fora de controle, como Brasil e Estados Unidos.

Leia Mais

Europa vai barrar entrada de brasileiros por causa da pandemia

O Reino Unido por sua vez, que deixou de integrar formalmente a UE em janeiro, mas mantêm relações próximas com bloco, impôs uma quarentena obrigatória de 14 dias para a grande maioria das pessoas que chegarem ao país. A medida gerou fortes críticas do setor do turismo e das companhias aéreas. Tanto que o órgão de turismo do governo, o VisitBritain, lançou um padrão de qualidade para o setor de turismo no Reino Unido. A marca ‘Estamos Prontos’ (We’re Good To Go) é uma forma de levar segurança e confiança ao consumidor, e vale para todos os países britânicos – Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Outra novidade é a reabertura do turismo e hospitalidade na Inglaterra, no dia 4 de julho. A partir desta data todos os hotéis, restaurantes, pubs e atrações turísticas poderão reabrir, seguindo as medidas básicas exigidas pelo governo britânico.

Turismo no Reino Unido tem sido retomado aos poucos – Foto: Divulgação

Por outro lado, países como Nova Zelândia, que foram exemplo na condução da Covid-19, chegando até mesmo a erradicar o vírus, devem ser mais rigorosos ainda. A abertura, aliás, deve começar pela vizinha Austrália, que vem apresentando também, destaque mundial na contenção da propagação do vírus em seu território.

Leia Mais

Latam vai encerrar operações na Argentina por tempo indeterminado

A boa notícia, é que você não precisa desistir do seu sonho de colocar o pé na estrada e desbravar o mundo. Isto porque, é possível ainda em 2020 pesquisar, planejar, sonhar e, viajar apenas quando você puder, seja para se organizar financeiramente ou quando sentir-se seguro.

Pensando nisto, entre os dias 29/06 e 08/07, o STB irá realizar o maior festival virtual do intercâmbio. O evento, aliás, será 100% on-line e 100% gratuito. Serão sete dias de bate-papos com especialistas e ex-participantes de vários programas de intercâmbio para todas as idades. Na agenda, cada dia será dedicado a um programa e destino. Os participantes do festival poderão conhecer todos detalhes, dicas e possibilidade de como se preparar para estudar, trabalhar e morar no exterior. Nossa ideia é, em tempos tão difíceis, ser um sopro de esperança de que tudo vai passar e manter vivo o sonho de desbravar o mundo e fazer um intercâmbio, porém apenas concretizá-lo assim que for possível e seguro, claro!

Os encontros acontecerão sempre às 18h na plataforma Zoom. Além disto, Descontos e novidades como o “Intercâmbio On-line” também podem ser esperadas pelos, participantes. Interessados, poderão se inscrever no webinar escolhido através do site oficial do evento.