Nelson Teich - Foto: Reprodução/CNN.
Nelson Teich - Foto: Reprodução/CNN.
Política

Teich rebate Bolsonaro e diz que cloroquina não é solução

O ex-ministro da Saúde apontou ressalvas sobre o pronunciamento do presidente.

O ex-ministro da Saúde Nelson Teich apontou ressalvas no pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro ao confirmar que está com coronavírus. Durante o anúncio, o chefe do Executivo afirmou que já fazia uso da cloroquina para o tratamento.

Para  Teich, o posicionamento do presidente ao reafirmar que o remédio é indicado, apesar de não haver comprovação científica, deve intensificar ainda mais os assuntos ligados ao tema. “Essa questão da cloroquina, se já era polarizada, agora vai ficar muito mais”, disse.

Leia mais

Dono da Ricardo Eletro é preso por sonegação e lavagem de dinheiro

Segundo o ex-ministro, a cura de pacientes com coronavírus que usarem a cloroquina pode não ser relacionada ao medicamento. “O grande problema é que o fato de usar o remédio não significa que foi ele que te curou. Para a pessoa que não tem um lado mais matemático, mais técnico, isso é difícil de entender. As pessoas falam que usaram o remédio e ficaram curadas, que prescreveram o remédio e os pacientes ficaram curados. Mas uma coisa pode não ter nada a ver com a outra”, explicou durante entrevista à CNN Brasil.

Teich
Teich é ex-ministro do governo Bolsonaro – Foto: Divulgação

Conforme apontou Teich, os estudos já feitos com a cloroquina e a hidroxicloroquina não mostraram benefícios até o momento. Segundo ele, inclusive, o único remédio aceito para uso emergencial é o remdesivir. Ele destacou, ainda, que é importante debater quais medicamento são de fato indicados porque, assim, define-se para onde serão destinados os recursos. “Uma das razões de você não usar coisas que não funcionam é deixar de gastar em coisas que funcionam. A gente tem que ter reserva para usar com coisas que sabidamente ajudam”, analisou.

Leia mais

Bolsonaro volta a enaltecer uso de hidroxicloroquina

O ex-ministro da Saúde questionou, ainda, a declaração do presidente da República, que afirmou que as pessoas com menos de 40 anos devem levar uma vida normal. “Não existe garantia que a idade vai tornar a pessoa imune à doença e que ela não pode morrer. Os números são menores [em pessoas jovens], mas não são zero”, contestou Teich.

Ele também ressaltou que as pessoas devem se preocupar e estar atentas para diminuírem a possibilidade de  contaminarem outras. “Quantas pessoas mais novas têm convívio com outras mais velhas quando voltam para casa? Não é só se você pode morrer, mas o quanto você pode disseminar”, disse.