Acontece

Em edição especial, ‘The Economist’ critica governo Bolsonaro

Foto: Divulgação
Capa da publicação traz o Cristo Redentor respirando com uma máscara de oxigênio

A revista britância “The Economist” trouxe, nesta semana, uma edição especial da publicação tendo o Brasil como foco e apresentando críticas à atual gestão do país, liderada por Jair Bolsonaro. Essa não é a primeira vez que a revista apresenta edições especiais sobre o Brasil, já que publicações similares foram divulgadas em 2009, 2013, 2016 e 2019.

Desta vez, a revista traz em sua capa uma nova imagem do Cristo Redentor, com um detalhe: o monumento está respirando com uma máscara de oxigênio. O título é bem sugestivo “A década sombria do Brasil”, trazendo apontamentos sobre erros na gestão do país e as perspectivas para o futuro.

Entre as críticas, descrevem Bolsonaro como um homem que quer “destruir as instituições, não reformá-las”, “esmagou todas as tentativas” de uma exploração sustentável da Amazônia e revelou serem “falsos” todos os votos favoráveis à renovação política. Cita ainda que, “para voltar aos trilhos, o Brasil deve lidar com velhos problemas”, como favorecimentos fiscais para a indústria e para funcionários públicos.

A publicação traz um panorama entre o Brasil dos governos de FHC e Lula e as gestões a partir de Dilma Rousseff, que fizeram com que pessoas que ascenderam à classe C passassem a viver um contexto de desemprego e queda de renda.. No que se refere ao controle da corrupção, ressalta a mal-sucedida relação de Bolsonaro com o juíz da Operação Lava-Jato, Sérgio Moro, e a dedicação do presidente em proteger os filhos de investigações criminais.

Em sua última reportagem, intitulada “Hora de ir”, o especial afirma que o futuro do país depende do resultado das eleições de 2022, destacando o apoio dos militares ao atual presidente e os riscos da não aceitação, por parte de seus apoiadores cada vez mais armados, de um resultado adverso nas urnas.

Ressalta que, os generais que se aliaram à Bolsonaro “esperavam fazer avançar a agenda do Exército” mas, “em vez disso, prejudicaram suas reputações”.

Destaca a dificuldade dos partidos de centro em encontrar um nome em comum para a disputa do pleito e afirma que o ex-presidente Lula, que lidera as pesquisas eleitorais, “deve oferecer soluções, não ‘saudades’” dos anos em que governou o País.

Com informações do Estadão.

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar

Dünyaya açılmak için hala neden bekliyorsunuz?

Türk takipçi

Günümüz de en önde giden sosyal medya platformlarından olan instagram ile günümüzün uzun bir süresini geçiriyoruz tabiki bu durumda ise birşeyler paylaştığımız vakit beğenilmek istiyoruz. yüzler ce binlerce takipçisi olan arkadaşlarınızdan yada rakip iş yeri sahiplerinizden önde olmak istemezmisiniz? eğer bunları düşünüyor ve siz de sosyal medya da satış yaparak para kazanmak istiyorsanız sizi https://instagramaktiftakipci.com/turktakipci/ bekliyoruz