À mesa

Cais Rooftop é mais que um lindo cenário no Recife

Restaurante Cais Rooftop - Foto: Divulgação/Montagem
Com um cardápio contemporâneo e ciente das tradições, o restaurante atrai turistas e moradores

Por Bruno Albertim

Gilberto Freyre, o sociólogo que faria 120 anos e que nos deu uma das principais chaves de compreensão do Brasil a partir de seu patriarcado escravista, dizia que o Recife é acanhando. Ao contrário do Rio de Janeiro e de Salvador, exibidas sem pudor sobre seus morros, a capital de Pernambuco exige que suas belezas sejam conhecidas pouco a pouco a partir de seu porto. Freyre mudaria de ideia se fizesse uma refeição no Cais Rooftop – apesar do anglicismo, o bar e restaurante instalado sobre o Cais do Sertão, museu de referência e reverência à cultura sertaneja instalado no casco antigo do Recife.

Cais do Sertão – Foto: Chico Andrade/Divulgação

Aqui, cenário importa tanto quanto a mesa. Porque ninguém vai ao Cais apenas para comer. Sofisticado, hype desde antes de abrir em dezembro passado, este é o “telhado” onde todos, residentes ou forasteiros, parecem querer estar no Recife neste momento. O projeto arquitetônico, assinado pelo escritório de Humberto Zírpoli que tem assinado 11 de cada 10 restaurantes contemporâneos na cidade, deu à cidade uma nova atração; e ao restaurante, um grande ímã além do cardápio.

Leia Mais

Orenji: frescor e a elegância tradicional da cozinha nipônica

São dois ambientes. No externo, um grande terraço ao ar livre, com mesas altas, bar, tendas com pufes e sofás. Música vibrante com DJs e um jardim que traz, num grande arroubo cênico, a caatinga para perto do mar, avistado por cima e cortado pelo molhe de arrecifes do Porto com o Parque de Esculturas de Brennand como assinatura visual. Aqui, servem-se apenas bebidas e entradas.

O cardápio de bebidas é extremamente variado e criativo – Foto: Anderson Freire/Divulgação
Cada drink mais lindo que o outro – Foto: Anderson Freire/Divulgação

No ambiente interno, um salão envidraçado como num aquário gigante, há mesas convencionais, muito couro e madeira, poltronas confortáveis, música mais amena. É onde o cardápio, dos petiscos ao principais, é servido por completo. Em qualquer dos lugares, a sensação é de flutuar sobre a cidade: se de um lado há o mar; do outro, o casario histórico do Recife Antigo, a Torre Malakoff acariciando o céu, nos informando como o Recife já teve compromissos tão ludicamente concretos com a beleza.

Rooftop Cais do Sertão – Foto: Ed Machado/FolhaPE
Leia Mais

Cobra acerta com a brasilidade do chef Lucas Muniz

O cenário vai garantir boas lembranças – e gerar muita cobiça – na sua conta do Instagram. E mesmo assim, é secundário. Porque o Cais Rooftop, hypes à parte, é um lugar para ir apenas para se comer – e bem.

Jason Vieira, um dos cinco sócios que se dispuseram a investir R$ 2 milhões no restaurante (desde a abertura da segunda etapa do museu, nenhum empresário, temendo o risco e entraves como a estrutura não contar, por exemplo, com uma grande câmara fria ou um elevador exclusivo para abastecimento) fez as primeiras formulações conceituais do cardápio.

Mas é o chef Renato Valadares quem assina sua versão concreta: une influências e latitudes várias para apresentar à mesa um sertão além do estereótipo, cosmopolita, sofisticado e ciente de suas tradições.

Renato Valadares, chef do Cais Rooftop – Foto: Ed Machado/FolhaPE

Conseguir um lugar na área externa para ver o por-do-sol (e ficar compartilhando muitas entradinhas entre um drinque ou um rosé) pode ser tão ou mais gratificante como incorrer no menu completo. Vejamos a “tábua de frios”, que é muito além de uma (tem coisa mais batida?) “tábua de frios”.

Leia Mais

Chalé.92 vai retomar as origens de comedoria de quintal

Batizada de Lisbela (R$ 69), traz 400 gramas de queijos prima dona, manteiga, cabra, reino, salamimho e presunto cru da Fazenda Yaguara, de Taquaritinga do Norte. Produtos de uma pequena indústria que trabalha com escala artesanal, cheios de personalidade e potência de sabor, e capazes de denunciar bem a paisagem cultural de onde vieram. Compartilhe, sob o risco de não conseguir seguir adiante no cardápio.

Já clássicos ali são o Capitu (uma porção de bolinhos de rabada, cremosa, com chutney de manga, R$ 36) e o Sinhá Vitória (porção de pastel de festa, inspiração nordestina-marroquina na massala que tempera a carne, com molho ponzu, R$ 32). Ou se é pra demarcar ainda mais território, um tartar de carne de sol (R$ 40), ainda tenra, com nachos de queiro do reino e um tão bom quanto inusitado chips de jiló.

Pastel de festa do Cais Rooftop – Foto: Anderson Freire/Divulgação
Bolinho de rabada – Foto: Anderson Freire/Divulgação

Na parte “interna” do restaurante, é servida a seção de principais. Nesse sertão litorâneo, alguns dos pratos melhor arquitetados, curiosamente, trazem pescados.

Pedi um lombo sedoso de robalo (R$ 55) delicadamente assado ao forno, em contraponto a um azeite de laranja-cravo que evidencia a delicadeza do peixe. De guarnição, legumes grelhados em azeite de babaçu, funcho e farofa de tapioca e banana.

Mas não deixei de compartilhar do prato dos meus acompanhantes. O Baião de Dois do Mar (R$ 65), traz o arroz vermelho, tipicamente sertanejo, caldoso, com um pouco de tucupi, numa profusão de camarão, aratu, polvo e mexilhões, misturados a feijão de corda.

Baião de Dois do Mar – Foto: Anderson Freire/Divulgação

O azeite de laranja em que os crustáceos são salteados também oferecem um delicadíssimo travo adocicado aos camarões em crosta de gergelim (R$ 69), grandes, servidos com uma mistura de maxixe e wassabi fritos e farofa amanteigada. Uma epifania.

Em seu primeiro grande cardápio autoral apresentado na cidade, o chef Renato Valadares parece harmonizar os pratos pela contraposição equilibrada de notas distintas de sabor. O mignon de sol, por exemplo, tem o sal da carne acariciado por uma crosta de açúcar mascavo, num molho de cebolas confitadas em manteiga com pimentas brasileiras, mais cubos de macaxeira, jerimum e uma (nova e pernambucaníssima) farofa de queijo-do-reino.

Mignon de sol – Foto: Anderson Freire/Divulgação

Os preços são compatíveis aos dos praticados no mercado local – ou seja, uma refeição ali custa menos que o burburinho em torno do luxo concreto do lugar tem provocado. E há, ainda, nos dias úteis, boas fórmulas de almoço executivo.

As sobremesas deixam qualquer um com água na boca – Foto: Anderson Freire/Divulgação

A cozinha do Cais é, sem contradições, regional e cosmopolita, com um resultado que amplia fronteiras do prazer gustativo. Apenas uma ressalva para o fato de que a carne que é sinônimo imediato semi-árido não esteja em nenhum prato. Mas o chef diz que já pensa em incluir cortes de bode ou carneiro nas próximas ampliações de cardápio desse sertão tão bem-vindo ao mar.

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar

Dünyaya açılmak için hala neden bekliyorsunuz?

Türk takipçi

Günümüz de en önde giden sosyal medya platformlarından olan instagram ile günümüzün uzun bir süresini geçiriyoruz tabiki bu durumda ise birşeyler paylaştığımız vakit beğenilmek istiyoruz. yüzler ce binlerce takipçisi olan arkadaşlarınızdan yada rakip iş yeri sahiplerinizden önde olmak istemezmisiniz? eğer bunları düşünüyor ve siz de sosyal medya da satış yaparak para kazanmak istiyorsanız sizi https://instagramaktiftakipci.com/turktakipci/ bekliyoruz